Água em Marte? A Nestlé que retire - Agora Já -

Água em Marte? A Nestlé que retire

26 de julho de 2018

Notícias desta semana dão conta que pesquisadores italianos anunciaram nesta que há indícios de presença de água líquida em Marte. Segundo dados coletados por um radar da Agência Espacial Europeia (ESA) há um “reservatório” de água líquida repousando abaixo de camadas de gelo e poeira na região polar sul do planeta vermelho. Não sei se a Nestlé ou a Coca-Cola teriam interesse em explorar um reservatório tão distante de suas fábricas, mas, de qualquer forma se eu fosse marciano já estaria com algo atrás da orelha. Não sei se lá tem pulgas.

E o que nós faremos com o Aquífero Guarani? Proteger a biodiversidade deveria ser um dos princípios basilares de quem deseja manter o Brasil como potência agropecuária. Mas, somos inteligentes o suficiente? Talvez não seja uma questão de inteligência do povo, mas de “esperteza” dos entreguistas que a preço vil entregam tudo aos estrangeiros que fazem com que tudo neste país seja sempre coisa de poucos.

O Brasil dispõe de uma oportunidade privilegiada para se tornar uma potência na área da bioeconomia com o uso de recursos naturais sem comprometimento do ecossistema brasileiro. Ou seja, como sempre afirmou o deputado Elvino Bohn Gass (PT-RS), que foi relator da revisão do Código Florestal na legislatura passada: “É possível produzir preservando e é necessário preservar produzindo”.

O Brasil tem 69% do Aquífero Guarani, Argentina (21%), Paraguai (5%) e Uruguai (5%). Com área total de 1,2 milhão de km² e capacidade de abastecer 400 milhões de pessoas, os 840 mil km² brasileiros espalham-se por oito estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Há décadas, grandes conglomerados multinacionais se interessam em explorar trechos do manancial que atendem às suas posições logísticas e produtivas. Preocupados, em 2003, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o Banco Mundial criaram um fundo de apoio para Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, e nele incluíram o Aquífero Guarani.

Recentemente, na levada que a política neoliberal sugeria no passado, agora oficializada por um golpe de Estado, alguns departamentos e técnicos da Agência Nacional de Águas (ANA), sob condição de anonimato, têm revelado a presença do aquífero em lista dos bens públicos privatizáveis. O governo golpista tem tentado desmentir essas informações. Todavia, não é possível confiar em Temer. Portanto, volto a questão. Precisamos defender nossa biodiversidade. Ela é manancial de riquezas.

 

Natanael Mücke
Economista – CRE-RS 6593
Secretaria de Planejamento e Finanças de Cruz Alta


Rua Barão do Rio Branco, 1012, sala 205 - Centro - Panambi - RS (55) 3375-8899, (55) 99118-5145, (55) 99119-9065

Entre em contato conosco

Copyright 2017 ® Agora Já - Todos os direitos reservados