Falta de gasolina nos postos faz o preço subir cerca de 5% no RS - Agora Já -

Falta de gasolina nos postos faz o preço subir cerca de 5% no RS

Foto:
19 de outubro de 2012

A falta de gasolina que atinge postos do Rio Grande do Sul já provoca aumento no preço do combustível em estabelecimentos sem bandeira. O reajuste varia de R$ 0,15 a R$ 0,18, equivalente a 5% do preço por litro. De acordo com Associação Gaúcha de Postos de Combustíveis Independentes (Redeox), o custo do frete para trazer o produto de outros estados está sendo repassado para o consumidor final.
O presidente da associação, Gilberto de Oliveira, diz que os valores voltarão ao normal assim que o abastecimento no estado for normalizado. “Estamos repassando o custo do frete para os clientes. Já trouxemos cerca de 300 mil litros do Paraná para amenizar a situação. É o consumidor que paga por isso, infelizmente”, afirma Gilberto.
Desde a semana passada, proprietários de postos reclamam que não estão recebendo combustível suficiente. A distribuição no estado foi afetada por problemas climáticos – como vento forte e mar agitado –, que impediram a descarga de petróleo e nafta na monoboia da Petrobras em Tramandaí, no Litoral Norte. Em nota, a estatal afirmou que navios conseguiram descarregar o produto na quarta-feira (17).
O período sem receber matéria-prima, no entanto, afetou o processamento na Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Responsável pelo abastecimento de cerca de 80% dos postos de combustíveis do estado, a Refap foi obrigada a diminuir a produção diária de combustíveis e não conseguiu dar conta da demanda.
A previsão do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Rio Grande do Sul (Sulpetro) é de que a falta de gasolina em alguns postos continue pelo menos até a próxima segunda-feira (22). Segundo o presidente Adão Oliveira, este é o tempo necessário para que o combustível chegue até Refap, seja processado e distribuído novamente.
“Um navio conseguiu atracar no terminal de Tramandaí na quarta (17), mas a gasolina só deve ser liberada na segunda. Até lá, vamos continuar enfrentando problemas”, diz Adão Oliveira. A embarcação tem carga estimada em 100 mil metros cúbicos, o que corresponde a 100 milhões de litros. “As distribuidoras estão entregando 5 mil litros para cada posto e isso dura, no máximo, quatro horas “, afirmou.
Até que a Refap volte a operar normalmente, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) autorizou as distribuidoras a buscar gasolina em outros estados, como Santa Catarina e Paraná. O órgão regulador reiterou que há risco do Rio Grande do Sul sofrer com desabastecimento. Em nota, a Petrobras disse que o fornecimento será regularizado em breve.
Nesta quinta-feira (18), o Ministério Público Federal (MPF) instaurou processo administrativo para investigar os motivos do desabastecimento no estado. A procuradoria estabeleceu prazo de cinco dias para que a Transpetro, a ANP, a Capitania dos Portos, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e o Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Rio Grande do Sul esclareçam a questão e informem os procedimentos adotados até agora para a solução do problema.


(55) 3375-8899, (55) 99118-5145, (55) 99119-9065

Entre em contato conosco

    Copyright 2017 ® Agora Já - Todos os direitos reservados
    error: Conteúdo protegido! Cópia proibida.