Fim da greve dos fiscais agropecuários não impede que cargas sigam retidas - Agora Já -

Fim da greve dos fiscais agropecuários não impede que cargas sigam retidas

Foto:
15 de agosto de 2012

Mesmo com a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de suspender a greve dos fiscais agropecuários nas regiões de fronteira, a liberação de cargas ainda não está normalizada nas aduanas. Segundo relatório parcial do Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), pelo menos 185 carretas seguiam com cargas retidas até a tarde desta terça-feira, em quatro pontos do Estado: Aceguá, Uruguaiana, São Borja e Jaguarão.

A liminar obtida pelo governo federal na sexta-feira ordena que a liberação de cargas seja normalizada em até 72 horas. Mas o delegado do sindicato no Rio Grande do Sul, João Becker, afirma que o prazo não deve ser cumprido devido à falta de efetivo.

– A greve fez com que houvesse um acúmulo de serviço. Se já não tínhamos efetivo antes para cumprir a demanda, agora é óbvio que não vamos conseguir dar conta de todo esse trabalho em tão pouco tempo. Mais do que a questão salarial, a defasagem de efetivo é o que mais preocupa – explica Becker.

Além da greve dos fiscais agropecuários, a Anffa Sindical também credita o acúmulo de cargas à paralisação dos fiscais da Receita Federal e da Anvisa.

Anvisa mantém apenas serviços essenciais

Serviços considerados essenciais, prestados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), estão sendo mantidos no Estado, mesmo com a greve dos funcionários do órgão. Ao lado de São Paulo e Rio de Janeiro, o Rio Grande do Sul é um dos estados onde a adesão à paralisação é maior.

Os grevistas afirmam que estão cumprindo a determinação da Justiça, de manter 70% dos servidores trabalhando a pleno. De acordo com a especialista em Regulação e Vigilância Sanitária da Anvisa, Úrsula Gottschald, os postos do aeroporto Salgado Filho e do porto de Porto Alegre estão com os funcionários em greve.

– É muito importante ressaltar que as ações essenciais estão mantidas, mesmo por funcionários em greve. Produtos de assistência médico-hospitalar, remédios e alimentos perecíveis estão sendo liberados – explica Gottschald.

Fiscais de outras cidades foram deslocados pela Anvisa para o posto de Uruguaiana, onde os funcionários também aderiram à greve. Já em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, onde a paralisação estaria afetando a distribuição de medicamentos, a especialista afirma que a falta dos remédios não tem relação com a paralisação.

– O Porto Seco da cidade não possui autorização para armazenar medicamentos pela Anvisa e, portanto, não é responsável pelo desabastecimento de remédios na rede de saúde do município – afirma.

 


(55) 3375-8899, (55) 99118-5145, (55) 99119-9065

Entre em contato conosco

    Copyright 2017 ® Agora Já - Todos os direitos reservados
    error: Conteúdo protegido! Cópia proibida.