Perícia na eleição do Inter aponta sócios votando mais de uma vez e uso de robôs - Agora Já -

Perícia na eleição do Inter aponta sócios votando mais de uma vez e uso de robôs



Laudo foi pedido pela Justiça após ação movida por conselheiros. Atual direção ressalta trechos que garantem não ter havido benefício a qualquer chapa

Foto: Raul Pereira / Agência Lancepress!
11 de maio de 2022

A perícia designada para auditar a eleição do Inter, ocorrida em dezembro de 2020 e vencida pela chapa de Alessandro Barcellos, encontrou indícios de irregularidades. Entre elas, suspeitas de que robôs tenham ao menos tentado acessar o sistema de votação online, que sócios conseguiram votar mais de uma vez, que houve mais registro de votos do que os computados e que associados conseguiram escolher seu candidato mesmo após a expiração do código de confirmação. O relatório, porém, afirma que não foi possível detectar benefícios a qualquer candidato.

A investigação se deu após a Justiça deferir o pedido de investigação que um grupo de conselheiros (a maior parte deles integrantes da chapa que ficou em segundo lugar, liderada por José Aquino Flôres de Camargo, desembargador aposentado) moveu.

“Com base na doutrina, considerando os pilares da segurança da informação e sistemas: a Confidencialidade, Integridade e Disponibilidade, não podemos considerar os sistemas como seguros, pois foram comprometidos os pilares da Integridade e Disponibilidade”, diz um trecho da perícia.

De acordo com a investigação, o sistema informou que houve 35.573 registros de votação, “sendo que vários usuários apareceram com mais de um registro _ já que a soma dos votos foi de 29.041”. É importante ressaltar, porém, que por mais que possam ter havido mais votos, eles não foram computados na apuração geral, tendo sido considerado nulos.

Em outro trecho, o perito afirma que “as análises realizadas demonstraram que vários sócios conseguiram registrar mais de um voto, gerando desconfiança na integridade do banco de dados”, o que não garante a validade dos votos. Por exemplo: se alguém conseguiu votar mais de uma vez, apenas o primeiro voto foi computado.

A outra suspeita é de que robôs tenham tentado ao menos entrar no sistema. Segundo a análise, 3.824 usuários geraram seus códigos de verificação pontualmente no mesmo instante, com precisão de milissegundos. “Como a arquitetura do sistema é baseada em serverless, é sabido que várias instâncias de um mesmo código executem em simultâneo podendo ocasionar tal coincidência, mas não com tamanho volume de requisições paralelas”, aponta o relato.

A chapa de José Aquino fará uma reunião para decidir qual atitude tomar após um laudo indicar irregularidades no pleito. Eles estão inclinados a pedir inclusive a impugnação do resultado. Segundo o advogado da chapa, Leonardo Aquino, que também foi um dos conselheiros a ingressar na Justiça para pedir uma investigação sobre o sistema eleitoral, o laudo da perícia “deixa claro que a eleição não é fidedigna”.

— Vamos levar em consideração o momento atual, a disputa dos campeonatos, mas não há dúvida de que houve fraude — diz Leonardo Aquino.

A primeira ação, em tese, deverá caminhar pela via administrativa. O presidente do Conselho Deliberativo, Sérgio Juchem, será acionado para decidir o que fazer a partir das denúncias. Mas em caso de negativa (ou até mesmo se, no entendimento dos interessados, houver uma demora), ingressarão novamente na Justiça para tentar a impugnação da eleição.

— Sempre tentamos o caminho administrativo, pelo Conselho Deliberativo, mas nunca fomos atendidos. Por isso acionamos a Justiça, que determinou a perícia e que apontou a fraude — finalizou Leonardo Aquino.

A direção do Inter emitiu uma nota para dar seu parecer após a divulgação da perícia. No texto, a gestão afirma que “o laudo deixa claro a inexistência de qualquer favorecimento ou intervenção em favor de qualquer chapa, o que referenda o resultado do pleito”.

A nota fala ainda que as equipes técnica e jurídica “estão  analisando o documento para eventuais apontamentos técnicos que se façam necessários”. Em outro trecho, diz que  “O vazamento desse laudo de 108 páginas em menos de 24 horas de sua disponibilização no processo, que tramita em segredo de justiça, mostra a clara intenção de expor e difamar o Sport Club Internacional, o que deve ser lamentado por todos os colorados e coloradas”.

Procurado pela reportagem, o presidente da Comissão Eleitoral, Lauro Dorneles, não atendeu as ligações nem retornou os recados.

Nota oficial

A manifestação da atual gestão

Na tarde desta quarta-feira, a comunidade colorada tomou conhecimento pela imprensa de um laudo de perícia em ação direcionada contra o Sport Club Internacional e as empresas responsáveis pelo sistema de votação utilizado na eleição realizada em dezembro de 2020. Do Clube foi exigido, tão-somente, o fornecimento da lista digital dos associados que votaram, o que foi atendido e cuja integridade foi atestada pelo perito.

O laudo deixa claro a inexistência de qualquer favorecimento ou intervenção em favor de qualquer chapa, o que referenda o resultado do pleito. Nossas equipes técnica e jurídica estão  analisando o documento para eventuais apontamentos técnicos que se façam necessários. 

A nossa eleição de 2020 foi a maior da história de um clube no futebol brasileiro e temos plena confiança na lisura do processo. O Clube desde o início da ação se manteve à disposição para esclarecimentos. 

O vazamento desse laudo de 108 páginas em menos de 24 horas de sua disponibilização no processo, que tramita em segredo de justiça, mostra a clara intenção de expor e difamar o Sport Club Internacional, o que deve ser lamentado por todos os colorados e coloradas.

 

 

*Fonte: GaúchaZH


(55) 3375-8899, (55) 99118-5145, (55) 99119-9065

Entre em contato conosco

    Copyright 2017 ® Agora Já - Todos os direitos reservados
    error: Conteúdo protegido! Cópia proibida.