POLÍTICA: A Senadora Gaúcha Ana Amélia Lemos será a candidata à Vice-Presidente na chapa encabeçada por Geraldo Alkmin - Agora Já -

POLÍTICA: A Senadora Gaúcha Ana Amélia Lemos será a candidata à Vice-Presidente na chapa encabeçada por Geraldo Alkmin



Um dos marcos do impeachment de Dilma e a voz mais eloquente do antipetismo Ana Amélia recupera espaço do tucano no campo

3 de agosto de 2018

Geraldo Alckmin deu um passo largo à direita ao escolher Ana Amélia (PP), gaúcha natural de Lagoa Vermelha, como vice em sua chapa presidencial. A senadora gaúcha se incorpora ao esforço dos tucanos para retomar um eleitorado conservador que votava no PSDB, mas ameaçava migrar para Jair Bolsonaro (PSL).

 

Ana Amélia tentará devolver fôlego a Alckmin em cinco nichos: 1) no antipetismo; 2) no setor rural; 3) nos movimentos conservadores; 4) no debate anticorrupção; 5) no Sul.

 

A nova vice tende a acentuar as notas de polarização com o PT na campanha de Alckmin. Ana Amélia se notabilizou por um discurso agressivo contra Lula nos últimos meses.

Quando a caravana do ex-presidente foi recebida com ovos e chicotes em municípios do Rio Grande do Sul, em março, ela parabenizou quem “botou a correr aquele povo que foi lá levando um condenado”.

 

Bolsonaro ameaçava dominar o ambiente antipetista. Com a autêntica representante do agronegócio, Alckmin desvia de confrontos violentos com o PT, mas pode escalar a vice como porta-voz para evitar que o rival reine sozinho.

 

Ana Amélia representa ainda uma tentativa de reconectar Alckmin ao campo. Integrante da bancada ruralista, ela defende o agronegócio e indicou ser favorável à posse de armas por produtores. A parlamentar também é um xodó do MBL (Movimento Brasil Livre). O grupo, que liderou protestos contra Dilma Rousseff, afastou-se do PSDB e corteja políticos considerados mais conservadores.

 

Os tucanos esperam aplicar Ana Amélia como vacina contra a corrupção que corroeu a imagem do PSDB. Defensora ferrenha da Lava Jato, a senadora seria apresentada como um selo de garantia para Alckmin.

A gaúcha é ainda uma aposta dos tucanos para ganhar terreno no Sul. Em 2014, Aécio Neves (PSDB) teve 50% dos votos na região. Alckmin aparece com 5% ali, atrás de Bolsonaro (22%) e Álvaro Dias (14%).

 

Alckmin cita Ana Amélia como potencial vice desde 2017. A ideia era descartada, pois seu perfil era tido como similar ao do tucano. A concorrência na direita, porém, obriga o candidato a arrumar a própria casa.

Fonte: Folha de São Paulo – Fotos: Alan Marques/Sérgio Lima e Edu Andrade-Folha de São Paulo.


Rua Barão do Rio Branco, 1012, sala 205 - Centro - Panambi - RS (55) 3375-8899, (55) 99118-5145, (55) 99119-9065

Entre em contato conosco

Copyright 2017 ® Agora Já - Todos os direitos reservados
error: Conteúdo protegido! Cópia proibida.